TEXTO DA ABERTURA DO SEMINÁRIO SISTEMA DE PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS

SUCESSO DE UMA IDÉIA REVOLUCIONÁRIA

 

 

Ao receber a tarefa de fazer a abertura deste seminário, passei a viver duas angústias. A primeira, de falar em público. A segunda, muito pior, a angústia do que falar?

Mas como sempre, na vida de todo publicitário, depois da angústia vem sempre a solução.

Numa das vezes em que o Fernando estava me explicando o seu projeto, ele lembrou uma frase de Victor Hugo:

"A história das revoluções é a de um conjunto de idéias cuja hora chegou e de um conjunto de idéias cuja hora passou".

Estamos vivendo uma das maiores revoluções da história e precisamos entender o que está acontecendo.

A idéia que pressupunha a igualdade dos indivíduos através do controle estatal, passou. O ideal comunista teve 100 anos para mostrar algum resultado. O leste europeu foi seu líder e carrasco.

Não tenho dúvida alguma de que todos os presentes já têm provas suficientes de que também passou a hora da equação tradicional capitalista que enuncia: o lucro é igual ao maior preço de venda menos o menor custo possível (principalmente salários).

Chegar a estas duas conclusões nos custou muito caro. Foram gerações que pagaram altos custos políticos, econômicos, sociais e humanos, em troca de muito pouco. Esta caminhada foi árdua. No rastro, ficaram mortos, feridos e poucos se salvaram.

Hoje sabemos o que não queremos fazer. Não queremos, como empresários, explorar escravocratamente os trabalhadores. Estes, não estão mais dispostos a contribuir para o aumento da riqueza como meros coadjuvantes da sociedade e, portanto, não beneficiários, apesar do lucro só ter sido possível com a união entre capital e trabalho.

Mas o momento é de insegurança. A insegurança de não saber como agir daqui para frente. Sabemos que não podemos mais dividir um povo com muros. Sabemos que não podemos mais invadir países a qualquer pretexto. Não sabemos o que fazer com o alucinado Saddam Hussein, mas a partir desta nova lógica, o mundo está descobrindo como lidar com outros saddans husseins que ainda virão. E descobrindo como derrubar os muros de tantas berlins que ainda existem.

Estamos num momento de revolução nas relações entre países, entre continentes. Entre Estado e cidadãos. Entre empresas, entre patrões e empregados, entre capital e trabalho. Entre o homem e o meio ambiente.

Todas essas revoluções têm, a meu ver, a espinha dorsal constituída por uma nova relação que o homem quer ter com a vida.

O que nos fez realizar este seminário, foi a convicção de que a participação nos lucros, não é uma idéia solitária. Assim como as mudanças que estão ocorrendo na nossa economia, não são provocadas apenas pelas nossas particularidades como nação.

Apesar das incertezas que todos nós vivemos, acreditamos que a nossa geração é a alavanca de uma revolução que marcará a história da civilização humana.

Estamos sendo levados a absorver um conjunto de idrias que vai contra tudo o que praticamos nos últimos séculos. Não vai ser fácil. Sobreviverão aqueles que mais rapidamente perceberem que a força desta onda é infinitamente maior que a nossa capacidade de resistência, pois "nada é mais forte do que uma idéia cujo tempo chegou".

Não será neste seminário que os senhores aprenderão alguma coisa definitiva sobre participação nos lucros. Todos os palestrantes são aprendizes numa escola em que a professora é dona Prática. Tenho a certeza de que todos sairão satisfeitos. Como patrocinadora, o desejo da Altermark é que ao final do dia de hoje, todos tenham o sentimento de que existe um outro caminho. Um caminho onde o exercício da liberdade de expressão em todos os momentos será o instrumento para a satisfação do homem consigo mesmo. Um caminho de justiça social efetiva, sem paternalismo de qualquer espécie; sem miséria; e sem a utopia da igualdade, porque, quando o homem se torna um ser social, ele se torna individual.

Deixo-os com os palestrantes do seminário Sistema de Participação nos Lucros ¾ a contribuição da Altermark para a divulgação de um conjunto de idéias revolucionárias cuja hora chegou.

Paulo Vogel

Dir. Presidente da ALTERMARK COMUNICAÇÃO

AGOSTO/90